terça-feira, 11 de novembro de 2014

António Costa: o rosto do Desastre "Vai uma taxinha meu caro, vai?"



Fontes não faltam, lá isso é verdade, para relatar e comentar este desastre de cariz apocalíptico. Desastre que ainda é construído em jeito local mas que, pelo ar da carruagem, será também nacional não tarda uns aninhos. E para agradar aos leitores, aqui vai um resumo das fontes, para que não haja "facciocismo" nas escolhas jornalísticas.


Não me interessa este tipo de reacções. Pura crítica partidária fala por si, é melhor não levar muito a sério senão o mais provável é ir mais cedo para o manicómio.

O que há a realçar deste exemplo tão bonito é a receita encontrada por um empedernido socialista, para o problema grave da falta de sustentabilidade das finanças de Lisboa (não será isto familiar...?). A receita de equilibrar pela receita, pois claro. A parte fácil, aquela que não exige pensamento, aquela que não pede explicações sobre os objectivos a longo prazo, aquela que não pede a explicação de uma visão e de um projecto. Bem pelo contrário.

Se Lisboa é cada vez mais uma cidade de Turismo, permitindo o seu desenvolvimento económico, vai mais uma taxinha.

Se Lisboa, devido ao turismo, tem a florescer o mercado do negócio turístico, de forma livre, sem intervenção do Estado, sem a sua mania de tudo taxar só porque mexe e lucra; então, vamos criar mais uma taxinha para agradar ao mastodonte socialista, bêbado com dinheiro dos contribuintes.

E assim vamos nós, caminhando na desgraça de uma cidade que, à hora que escrevo, parece que vai levar com mais um dilúvio em cima. Ah! E a culpa é... É de ninguém, "porque não se consegue controlar os elementos da natureza". E não se presta atenção aos avisos atempados da Protecção Civil...

É isto meus senhores e minhas senhoras habitantes de Lisboa, esta cidade à beira rio plantada. Entregue a um governante socialista que se esqueceu que tem uma cidade para governar. E que, quando se lembra, usa Lisboa para as suas experiências governativas a pensar no Governo. Mas que contudo, esquece esta verdade universal....




11 comentários:

  1. Sempre a cascar no mesmo. Antes era porque António ia sair da câmara caso fosse secretário geral do PS. Agora é porque António faz uma taxa irrisória quando comparada com as taxas dos laranjinhas do governo. Por amor de deus, façam comentários construtivos. António Costa é um grande presidente da câmara

    ResponderEliminar
  2. Caro Pedro
    Raramente discordamos. Mas desta vez eu sou a favor da taxa.
    Acho estranho a diferença política entre o que é para Lisboa e o que é para Portugal do Presidente da CML - mas isso é outra conversa.
    A taxa, e tu que és bem viajado, anda por aí em todo o lado. E acho bem; desde que o seu valor seja devidamente afeto como informado.
    Era isto.

    Quanto ao comentário anterior, gostaria de saber factos sobre este Presidente da CML que o distingam de outros...

    ResponderEliminar
  3. Caro jfd, orçamento participativo, recuperação da zona ribeirinha, recuperação da avenida duque d'ávila, recuperação do intendente, recuperaçao do jardim do campo grande, alargamento do metro até ao aeroporto, entre tantas outras coisas. Sim, algumas destas coisas foram ideias de presidentes anteriores, outras até pouco dependentes da câmara de Lisboa. Mas a vida é assim mesmo, feita de problemas por resolver. Não concordo é com críticas imparcias partidárias por parte de alguns escritores deste blog que proclamam a ideologia laranja custe o que custar. Eu quero debate de ideias, não esta brincadeira de juventudes partidárias em que se acusa alguém simplesmente por ser uma ameaça ao actual governo.

    ResponderEliminar
  4. Caro Jorge,

    Sim, felizmente sou bem viajado e só me lembro de ter pago uma taxa deste tipo. Na Rússia e fazia parte do pacote de estadia dia Hostels, juntamente com o visto. Noutras cidades europeias, nunca me calhou tamanho azar. Se calhar, do mesmo só pontaria minha.

    Sim, discordamos, mas de firma educada e participativa. Não concordo com este tipo de taxas, absolutamente nefastas para a liberdade económica privada. O sector do turismo já paga os seus impostos. Isto é um autêntico abuso por parte de um edil que, como bom socialista, só resolve os problemas do lado da receita. Do lado da despesa, está quieto.

    E caro Anónimo,
    Não se pode dar mérito a alguém quando apanha obra alheia a meio ou praticamente no final. É o que se chama sorte e ter o proveito alheio, acontece. Mas, infelizmente para si, este seu escriba não propagueia ideologia laranja ou amarela, ou lilás, ou a cor que quiser. Apenas sigo a minha consciência, e só pretendo agradar à minha consciência, e a mais ninguém

    ResponderEliminar
  5. Caro Anónimo .... continua a minha rua e várias zonas cheias de dejetos de animais, continuam as abusivas 2ªs e 3ªs filas de estacionamentos. Buracos nem falar. Quando chove Alcântara é uma piscona...
    Esqueça as juventudes partidárias e vamo-nos centrar no daebate real. Isso da JSD vs CML é notícias velhas, Aqui falamos como pensadores da grande cidade que é Lisboa ;)

    ResponderEliminar
  6. Ok Pedro... eu lembro de um ou dois exemplos nos EUA em que cada estado tem a sua taxa de estada e que presumo sejam entregues ao Governo do estado....

    ResponderEliminar
  7. E anónimo o Pedro tem razão,,, apanhar comboios anteriores e fazer disso sua obra é feio.

    ResponderEliminar
  8. Jorge,

    No caso particular de Lisboa, ainda não vi uma justificação plausível. Li uma, a da proposta, e é estupidamente irrisória, não é para levar a sério.

    ResponderEliminar
  9. Informo os meus amigos que se pagam taxas e bem caras em Barcelona, Paris, Roma, Milão, Istambul, Ilhas Gregas (estas eu tenho a certeza). Nós Portugueses já pagamos tanta taxa para a qual não se sabe onde vai o dinheiro (atenção que não digo que não é bem usado, apenas refiro que não sabemos em que), pagar a taxa de cidade para quem a visita não vai influenciar a vinda ou não dos estrangeiros. Apenas espero que esse valor seja bem aplicado. Caro anónimo algumas dessas obras do Sr. Costa foram positivas, já a bi-rotunda do Marquês .... aproveito para dizer que não ligo a politica, mas sou de Lisboa e baseio nisso a minha opinião

    ResponderEliminar
  10. Caro João continuo a acreditar na taxa e para mim seria o dobro. É tudo por agora.

    ResponderEliminar