segunda-feira, 30 de junho de 2014

Poderes absolutos...

Realizou-se, nos dias 27 e 28 de Junho de 2014, um arraial popular, na Alameda Padre Álvaro Proença, em Benfica. Organizado pela respectiva Junta de Freguesia. Eu pensava que o Santo padroeiro de Lisboa era o Santo António, assim como pensava que Benfica era uma freguesia de Lisboa… Mas isso agora nem vem ao caso.

Venho apenas parabenizar a senhora Presidente da Junta. As imagens não espelham a imensidão de gente que ocupava toda a alameda, como nem no dia das marchas se viu na Avenida da Liberdade. Foi um sucesso, com comes-e-bebes e muita música pimba.
Em nome da minha vizinha do lado, cancerosa, agradeço as 48 horas de ruído intenso, ensurdecedor, causado por enormes colunas de som do palco que foi montado a menos de 5 metros das janelas do meu prédio.
Em nome da minha vizinha, ex-vereadora da CML, agradeço o facto de terem plantado colunas de som de enormíssimo poder, a menos de 5 metros da janela.

Obrigado, senhora presidente da Junta. Obrigado por ter deixado a festa durar até às 5 da manhã – e se não fossem aqueles senhores da PSP, uns chatos, teria durado mais… - ao que se seguiu o intenso labor das pistolas de ar que amontoavam o lixo em pilhas, os carros do lixo, os caixotes a bater até de manhã… E às 11 horas (não, não é às 23…), começava tudo de novo. Ao menos, do lixo, não nos podemos queixar (pelo menos hoje, já que nos outros dias ele amontoa-se nas ruas).

O que as imagens pretendem reflectir, é portanto a profunda falta de respeito, para não dizer desprezo, pelo sossego dos moradores do nº 10. Em frente à porta do prédio, mas do outro lado da estrada, há um amplo parque de estacionamento, onde o palco podia ser montado. Mas colado à porta de um prédio de habitação, em ostensiva violação da lei, é muito melhor! Para a próxima, até o pode montar no átrio, se quiser.

A lei do Ruído é que é capaz de ter sido posta em crise, uma vez que permite a realização de actividades ruidosas temporárias (que organizadas por municípios ou juntas de freguesia, ficam dispensadas de licença especial de ruído), mas sempre condicionada ao respeito nos receptores sensíveis do valor limite do indicador L(índice Aeq) do  ruído ambiente exterior de 60 dB(A) no período do entardecer e de 55 dB(A) no período nocturno.

Os moradores até foram reclamar à senhora presidente da junta. Vários. A competência para a emissão da licença até é da junta de freguesia. A resposta dada a todos, foi: “agora já está”. Nem um pedido de desculpas. Quando quem tem o dever de nos proteger é o primeiro a violar os nossos direitos mais essenciais, ainda por cima desnecessariamente (e a questão é mesmo essa), os nosso mais primários direitos fundamentais, dizer o quê? 


Parabéns, senhora presidente. Sinceros parabéns... Está demonstrado que pode mesmo fazer o que quer... Não podia ter sido pior, mesmo que isso passe ao lado da maioria dos seus eleitores, não é?

1 comentário:

  1. Posso mando e quero, tenho o voto dos que votaram por isso fui eleita , quem se absteve, não votou em mim? não quero saber deles/as para nada, AGUENTEM-SE

    ResponderEliminar