quarta-feira, 24 de julho de 2013

A conduzir não fale ao telemóvel



O telemóvel foi uma das grandes invenções da humanidade. Hoje com um simples brinquedo desses conseguimos contactar com qualquer outra pessoa em segundos. Conseguimos até aceder à Internet, escrever mails, textos, trabalhar, jogar, um sem número de coisas. 

No entanto, e apesar de situações de emergência, é das coisas mais banais assistir a pessoas na estrada a conduzirem e de telemóvel na mão. O perigo que tal situação de irresponsabilidade acarreta deve ser combatido. Para bem das pessoas. 

São elas que podem ficar em perigo com tais situações. Mas mais do que a atitude irresponsável de quem conduz ao telefone, os restantes automobilistas e peões não merecem estar à mercê destes perigos.


Na nossa cidade são muitos os casos de pessoas que continuam a trabalhar mal entram no carro. Por ser cidade, por ser já ali que vão sair do carro, o telemóvel ligado e bem colado ao ouvido lá anda, colocando em perigo a própria pessoa e os próximos. Contra isto é preciso fiscalização e mão pesada. 

A vida vale mais do que qualquer chamada ou sms. 

1 comentário:

  1. A condução de um veículo a motor não se compagina com o simultâneo uso do telemóvel.

    Porém, o facto de a infracção ser hoje qualificada como "grave", podendo mesmo determinar a cassação da carta aos recém-encartados, ou a inibição de condução temporária, para os demais, nem por isso a lei (que é uma boa lei) é respeitada.

    Todos os dias me cruzo com dezenas ou centenas de automobilistas que usam o telemóvel durante a condução. Como actualmente circulo dentre de Lisboa de moto, a atenção a estas situações é redobrada. E quase em todas as situações em que quase fui abalroado, ocorrem com condutores que estavam ao telemóvel...

    Na minha perspectiva, "isto" é a demonstração cabal de que a repressão, apenas, não funciona enquanto factor educacional.

    E deixo a sugestão, à CML, de lançar uma campanha educativa contra o uso do telemóvel durante a condução.

    Cumprimentos a todos,

    D.B.

    ResponderEliminar