sexta-feira, 21 de junho de 2013

A Vocologia do Fado: Projecto de investigação!

O Pensar Lisboa teve conhecimento do "Estudo científico do FADO: Desenvolvimento da educação, saúde e performance dos cantores, professores de canto e clínicos da voz do FADO".


Tendo em conta o facto de ser um projecto inovador e que trata sobre uma temática que é tão querida à cidade de Lisboa, o Fado, decidimos desafiar uma das investigadoras que integra o Projecto, a Dra. Aira Rodrigues, Terapeuta da Fala, a apresentar-nos este projecto. 


Estudo científico do FADO: Desenvolvimento da educação, saúde e performance dos cantores, professores de canto e clínicos da voz do FADO


Sendo o Fado um estilo de canto unicamente português e reconhecido pela UNESCO enquanto Património Imaterial da Humanidade, o Fado de Lisboa e o Fado de Coimbra são os mais conhecidos, distinguindo-se pela afinação mais grave da guitarra portuguesa neste último e técnica de execução diferenciada (Cravo, 2002).


À semelhança da caraterização acústica, fonatória e fisiológica de outros estilos musicais, como, lírico, pop, jazz, country, soul e teatro musical que já foram estudados (Bezerra et al., 2009; Butte et al., 2009; Callaghan et al., 2004; Camargo, Barbosa, & Teles, 2007; Gusmão et al., 2010; Lundy et al., 2000; Mendes et al., 2003; Sundberg & Skoog, 1997), torna-se pertinente, relevante e urgente analisar o nosso FADO (Mendes, Rodrigues e Guerreiro, 2004, 2011, 2012) que até ao momento apenas teve uma análise de caráter antropológico, histórico e/ou etnomusicológico (Castelo-Branco, 2004; Gouveia, 2010; Nery, 2004). A ideia de estudar o FADO surgiu em 1999, aquando Mendes estava a analisar os efeitos do treino vocal no sistema respiratório e fonatório de estudantes universitários de canto lírico. O estudo acústico, fonatório e fisiológico da voz do FADO permitirá uma adequada intervenção em três eixos de atuação: pedagógica, clínica e científica junto destes cantores.

Não existiam estudos científicos que caracterizassem acusticamente a voz falada e cantada dos cantores de Fado, ao contrário de outros estilos musicais. As medidas temporais (tempo máximo de fonação e índice s/z), espetrais (particularmente, a frequência fundamental – F0) e de perturbação (jitter, shimmer, índice harmónio-ruído) permitem a caracterização acústica da voz falada e cantada (Araújo et al., 2002). A análise acústica vocal é cada vez mais utilizada na prática clínica do terapeuta da fala e otorrinolaringologistas, prática pedagógica do professor de canto e na prática de outros profissionais que se dedicam ao estudo da voz humana, tais como foneticistas e vocologistas (Benninger & Murry, 2008; Sataloff, 2006). Na população de cantores, em particular, a análise acústica vocal é a ferramenta mais objetiva e não-invasiva que permite prevenir, monitorizar, reabilitar e/ou optimizar a sua voz falada e/ou cantada.

Em 2012, Mendes, Rodrigues & Guerreiro realizaram o estudo-piloto que permitiu esboçar o perfil acústico da voz dos cantores de Fado. Quinze fadistas Lisboetas produziram tarefas fonatórias em voz falada e cantada. Na voz falada, o tempo máximo de fonação e índice s/z dos cantores de Fado estava próximo do limiar considerado patológico. A F0 foi mais aguda que nos não-cantores e mais grave que nos cantores líricos. Os valores médios de jitter e shimmer foram superiores aos referidos para não-cantores. O índice harmónico-ruído foi similar ao valor médio para não-cantores. Na voz cantada, o jitter foi superior comparativamente a cantores country, teatro musical, soul, jazz e lírico e inferior a cantores pop. O shimmer foi inferior ao dos cantores country, teatro musical, pop, soul e jazz, e superior ao dos cantores líricos. O índice harmónico-ruído foi similar ao dos cantores líricos. A extensão máxima de frequência vocal dos cantores de Fado enquadrou-os na classificação de barítonos e mezzo-sopranos para os sujeitos do sexo masculino e feminino, respetivamente. Adicionalmente, a maioria dos cantores de Fado apresentou vibrato e raramente o Formante do Cantor. Estes resultados foram apresentados em várias conferências científicas nacionais e internacionais e foram publicados no Journal of Voice, Philadelphia, USA.

Em 2013, a Fundação para a Ciência e Tecnologia classificou este projeto de Muito Bom e a Fundação Calouste Gulbenkian aprovou-o para financiamento. Durante o próximo ano, 384 fadistas serão recrutados para gravações de modo a termos uma amostra representativa desta população e podermos generalizar e extrapolar os dados para estes profissionais de voz. 

Esperemos que todas as casas de Fados em Lisboa tenham conhecimento deste estudo, porque no fundo, o nosso objetivo primordial é manter e/ou melhorar a qualidade vocal dos nossos fadistas, tendo em conta um padrão acústico vocal de referência para este estilo musical e que garanta melhores performances e uma melhor saúde vocal destes cantores!

1 comentário:

  1. Concordo. Tudo a bem da ciência, Claro! Bem hajam.Asdrubal

    ResponderEliminar