quinta-feira, 30 de maio de 2013

Para reflexão


Quando estamos a descer a Marquês de Fronteira, em direcção à Avenida António Augusto Aguiar, deparamo-nos frequentemente com um número elevado de carros em espera no semáforo que intercepta as duas ruas. 

Para quem não está a ver é aquela rua que ao olhar para a direita tem o El Corte Inglês. Não obstante o tempo que demora o sinal a ficar verde, podemos perceber que de uma rua com duas faixas, afunila para apenas uma. E o que percebemos? Que dá origem a uma faixa e a um longo passeio no lado direito.

Não tenho nada contra passeios e acredito que fazem falta mais zonas para as pessoas andarem a pé. No entanto, é perceptível que este passeio, para além de ser desnivelado não tem grande utilidade. As pessoas têm dificuldade em passar nele e por isso observamos que muitas vezes dão a volta para se desviarem.




Fica a referência para futura reflexão. 

3 comentários:

  1. Mais uma vez, Diogo Agostinho na sua cruzada, com "nada contra os passeios", mas sempre em defesa da ideologia de que cada metro quadrado onde que não possa passar ou estacionar um carro é um metro quadrado desperdiçado.

    ResponderEliminar
  2. Sim. Mais uma vez. E vai ver muitas vezes na cruzada contra as coisas sem sentido... como postos de electricidade no meio de um lugar de estacionamento ou passeios desertos e desnivelados.

    Conte comigo para essa cruzada. Essa e muitos. Pelo menos para provocar e ajudar a Pensar um pouco em Lisboa.

    ResponderEliminar
  3. Tenho que passar nessa rua todos os dias. É um tormento. Aquele passeio é horrível. Para mim que já tenho uns bons aninhos, parece montanhismo.

    E as buzinadelas então nem se falam.

    ResponderEliminar