segunda-feira, 27 de maio de 2013

Oh Zé?


Depois da brilhante ideia de cortar com as esplanadas no Campo Pequeno, será que o Zé, que tanto falta nos fazia, acha que hoje está uma zona digna de se estar? Ou será que o apagão e desaparecimento dos restaurantes e, consequentemente, das pessoas, é a nova política de Lisboa?

É a nova máxima do Zé Sá Fernandes: "Vá para dentro, que cá fora, não vale a pena"!

8 comentários:

  1. é de facto triste Diogo! Assim se vê a aposta feita no comércio e dinamização da cidade por parte deste executivo camarário Lisboeta.

    ResponderEliminar
  2. é de facto triste Diogo! Assim se vê a aposta feita no comércio e dinamização da cidade por parte deste executivo camarário Lisboeta.

    ResponderEliminar
  3. POR ACASO, ESSA FOTO É MUITO BONITA.

    NÃO PERCEBO O PROBLEMA COM A MESMA.

    PREFERIA A MESMA FOTO, MAS CHEIA CHÁPUES E CADEIRAS A DIZER SUPERBOCK/SAGRE/OLÁ? OU PASSEIOS REPLRETOS DE MESAS E CADEIRAS E CHÁPEUS, PEJADOS DE PUBLICIDADE, OS QUAIS NÃO NOS DEIXAM SEQUER ESPAÇO PARA CIRCULAR A PÉ?

    ESTOU CONSIGO, VAMOS PENDURAR UMAS FAIXAS A DIZER SAGRES E SUPERBOCK NO CASTELO DE SÃO JORGE. E OUTRAS NOS JERONIMOS. NO PALACIO DA AJUDA, PODEMOS METER AS FAIXAS DOS GELADOS DA OLA.

    ResponderEliminar
  4. Espaço? O que mais falta nesta zona é espaço. Diria mesmo que é tão apertado que nem dá para andar à volta.

    O que falta neste espaço não é espaço! É pessoas!

    ResponderEliminar
  5. Uii já andam aqui a defender o seus camaradas...

    ResponderEliminar
  6. Bem, o que se pode dizer de um vereador que não percebe de economia, que não entende o que é a livre iniciativa económica, que não compreende o que é a liberdade privada, que não consegue discernir que uma cidade só é viável se for economicamente viável, e que tem anónimos deste calibre a defender.

    Bem, sendo assim, Lisboa só pode esperar o abismo em que está e que parece que não vai sair...

    ResponderEliminar
  7. PEDROCAS, PODE SER QUE AMANHÃ ACORDES COM UMA ESPLANADA PLANTADA À PORTA DE CASA.

    ResponderEliminar
  8. Lisboa não está num abismo, até está a ter iniciativas de louvar, mesmo em época de crise. Este exemplo é, de facto, uma nódoa na actuação da câmara, mas apenas uma.

    ResponderEliminar