quarta-feira, 22 de maio de 2013

15 anos depois...


É verdade. O tempo passa. Quem não se lembra desse momento alto para o nosso País? Fomos centro do mundo. Juntámos nações, criámos um espaço único e recebemos de forma condigna cidadãos de todo o globo. 

E o que ficou desse grande momento? Bem. Eu sou suspeito. Gosto da zona e actualmente sou habitante no Parque das Nações. Não tenho a veleidade de dizer que é a melhor zona de Lisboa. Aliás, em Lisboa é difícil encontrar a melhor zona.

Mas, o que foi a Expo e o que é hoje o Parque das Nações deixa-nos um misto de orgulho e esperança. Ora, como sabemos, o que antes era uma zona industrial, “suja”, afastada dos lisboetas, transformou-se numa nova cidade. O Parque das Nações tem hoje uma cultura própria e uma vida que irá culminar num processo há muito pedido de constituição de uma Freguesia. Nos tempos que correm agrupar com sentido o território é um imperativo e uma ligação afectiva aos seus habitantes.

Lisboa deve ter no Parque das Nações uma fonte de inspiração. É possível dar a volta a uma zona do território de forma a dar vida, trazer pessoas e abrir empresas. E a ligação ao Tejo. A forma como as pessoas passam os seus dias, os espaços verdes e locais para fazer desporto. A ligação entre pais e filhos a brincarem ao fim-de-semana. Hoje, como pólo habitacional e empresarial, tem também no turismo uma base de expansão económica. A abertura de mais hotéis, de restaurantes, lojas, a construção da nova igreja, os infantários e colégios, as clínicas e farmácias, fazem desta zona uma zona com esperança. Nem melhor, nem pior que as outras. Mas com a certeza de que é uma zona autonomia e com vida própria!

Venham mais 15! Mais 50! Mais 100! Sempre com dinamismo e vontade de acolher tudo e todos.

1 comentário: