quarta-feira, 10 de abril de 2013

A cultura, a CTC e a CML

Mário Viegas deve estar a rebolar na sua campa com vontade de dar um belo sopapo em António Costa.
Esta alegada decisão da CML, tendo no leme uma vereadora que ... enfim: é completamente idiota e descontextualizada. Eu já trabalhei na CTC, eu sou amigo da CTC e a CTC anima o Chiado. É diferente, irreverente e muito à frente. Tem passado, tem presente, e tem futuro!
Não se entendem notícias do género:



Lisboa, 10 abr (Lusa) – A Companhia Teatral do Chiado criticou hoje a Câmara de Lisboa por querer cessar o contrato que têm estabelecido para ceder o Teatro Estúdio Mário Viegas às Produções Fictícias, admitindo recorrer a “todos os meios” para contrariar a intenção.

A Companhia Teatral do Chiado (CTC) promete recorrer com todos os meios ao seu alcance e não baixar os braços até que esta situação se resolva”, refere esta instituição em comunicado.

Em causa estão duas propostas da vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, que vão ser votadas hoje à tarde em reunião de Câmara, uma das quais aprova a resolução do protocolo celebrado entre a Câmara Municipal de Lisboa, a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC) em Lisboa e a Companhia Teatral do Chiado e o outro aprova a minuta de contrato-programa a celebrar entre a Câmara, a EGEAC e a Produções Fictícias.

Segundo o jornal Público, o objetivo é “entregar o Teatro Mário Viegas às Produções Fictícias” e atribuir-lhe um subsídio de 60 mil euros.

O jornal refere ainda que a Câmara quer cessar o contrato por a CTC não estar a cumprir o estipulado, nomeadamente a obrigação de enviar o plano de atividades e o respetivo orçamento até 31 de janeiro e a proibição de inatividade da companhia teatral durante nove meses seguidos.

Contactada pela Lusa, a Companhia Teatral do Chiado critica a Câmara de Lisboa por ter tomado esta decisão sem antes “tentar ajudar a companhia” de teatro residente e sem abrir um concurso público para a atribuição do Teatro Estúdio Mário Viegas.

A Companhia Teatral do Chiado tem uma história e um espólio de quase 25 anos de atividade e Juvenal Garcês, atual diretor artístico, assina as encenações de vários sucessos, tais como: “As Obras Completas de William Shakespeare em 97 minutos” (ainda hoje, o espetáculo com recorde de permanência em cena – 14 anos – e o espetáculo mais visto pelo público português – para cima de 300.000 espetadores), “As Vampiras Lésbicas de Sodoma” ou ainda “A Bíblia – Toda a Palavra de Deus d’uma assentada!”, lembram no comunicado.

Além disso, a Companhia lembra que “detém em seu poder o espólio artístico do ator Mário Viegas, cedido pelos herdeiros à CTC, com o intuito de o difundir”.

Para além de quererem correr com a CTC da sala Mário Viegas, também querem tirar-lhes o espólio!”, sublinham.

A CTC frisa ainda que esta é uma “companhia não subsidiada, sem mecenas, nem apoios” e que os fundamentos da Câmara para a cessação do protocolo são “fruto e consequência da má gestão e do total desinteresse em apoiar e solucionar os problemas com que a CTC tem sido confrontada, por parte da Câmara, da EGEAC e da Gestão de Equipamentos do Teatro São Luiz”.

MCL // JLG.


Não acredito!

3 comentários:

  1. http://cidadanialx.blogspot.pt/2013/04/camara-quer-entregar-teatro-mario.html

    ResponderEliminar
  2. COMUNICADO DE IMPRENSA

    DESPEJO DO TEATRO-ESTÚDIO MÁRIO VIEGAS: PORQUE SOMOS CONTRA

    “Somos frontalmente contra à passagem de um espaço a uma instituição comercial sem concurso público”, disse a Vereadora social - democrata, que não aceita que seja despejado um Teatro Municipal ligado a um nome grande da cultura, Mário Viegas.
    E depois, acrescentou Mafalda Magalhães de Barros, não se compreende a intensão de concessionar um espaço que é municipal a uma entidade privada lucrativa, “ que está em todas as plataformas e até detém um canal de televisão (o Canal Q) e ainda por cima atribuir-lhe um subsídio de 60 mil euros pelos três anos de exploração”.
    Isto é ilegal e viola a lei da concorrência, foi a resposta dos social-democratas à justificação de Catarina Vaz Pinto “ de que a não existência do concurso público estava de acordo com a lei por não estar sujeito às condições de mercado”.
    Mafalda Magalhães de Barros, contrapõe também “que certezas tem a Vereadora se com o concurso público não pareceriam novos talentos? Jovens que estivem no estrangeiro, em Nova Iorque, e noutros locais com grande actividade cultural?” E em relação ao espólio “interessante“ de Mário Viegas? Como pensa preservá-lo? Perguntou ainda a Vereadora.
    António Costa, rendido, propôs o adiamento da proposta para se estudar a realização de um concurso público “exigente”, como fez questão de frisar.
    Em relação à primeira proposta o PPD/PSD votou contra a retirada do Teatro-Estúdio Mário Viegas à Companhia Teatral do Chiado, por considerar que esta é a melhor opção para dar continuidade ao legado de Mário Viegas e garantir o seu espólio que é propriedade de todos.

    Lisboa, 11 de Abril de 2013"

    ResponderEliminar
  3. Quinta-feira, 11 de Abril de 2013
    OS LOBOS DA ANTI-CULTURA
    António Costa e a sua vereação querem despejar do Teatro S. Luís a Companhia Teatral do Chiado, fundada por Mário Viegas e Juvenal Garcês.
    O ódio dos democratas de pacotilha à Cultura, e em geral a tudo o que não consigam controlar, não desaparece nunca.
    E os lobos, sobretudo em ano de eleições, podem perder os dentes. Mas não perdem nunca os intentos!

    ResponderEliminar