quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Rubrica: Lisboa aos olhos de Bruno de Carvalho



E hoje o Pensar Lisboa regressa com a sua crónica. Bruno de Carvalho, Presidente da Fundação Aragão Pinto aceitou o nosso desafio e veio também ele Pensar Lisboa. Um agradecimento ao nosso convidado pela partilha a vontade em dar a sua visão.

Pensar Lisboa - O que menos gosta em Lisboa?
Bruno de Carvalho - Desagradam-me especialmente as condições de trânsito na cidade, em particular algumas más soluções de circulação em diversos locais importantes. Como exemplo, aponto a zona da “interface” do Campo Grande. Além de tudo isto, o excesso de viaturas que, diariamente, entram na cidade, sem quaisquer condicionamentos e sem condições de estacionamento adequadas, tornam a cidade num depósito de carros, o que a desfeia e é causa de muitos incómodos que prejudicam a qualidade de vida.
Desagradam-me as muralhas de contentores que separam Lisboa do seu Tejo e tudo quanto prejudique a intimidade do seu “namoro eterno” .

Pensar Lisboa - O que mudava em Lisboa?
Bruno de Carvalho - A resposta decorre da primeira questão e, por isso, a mudança resultaria de estudar cuidadosamente a situação para melhorar as soluções de trânsito e de estacionamento, incluindo as condições de acesso à cidade.
Acrescentaria um maior cuidado na recuperação urbana que ainda constitui um problema da cidade e restituiria aos lisboetas o que foram os seus locais de encontro preferidos, o Parque Mayer e a Feira Popular.

Pensar Lisboa - O que recomendaria a um turista em Lisboa?
Bruno de Carvalho - Começaria por lhe recomendar a análise de alguns “guias” ilustrados, descritivos da cidade e da sua longa História, para que, depois, pudesse tirar melhor partido de uma visita guiada que incluísse os bairros antigos, as zonas monumentais e históricas, locais mais característicos como a Baixa, o Chiado e a Av da Liberdade, sem esquecer as ruínas romanas sob a Baixa Pombalina.
Um périplo pelos miradouros espalhados pelas sete colinas da cidade e um passeio de barco pelo Tejo revelar-lhe-iam os maravilhosos perfis de uma cidade que, para além dos seus belos recantos é, globalmente, bela!
Não poderia deixar de sugerir, para terminar, uma ceia à luz das velas, ouvindo cantar o fado.

Pensar Lisboa - Com que cor identifica Lisboa?
Bruno de Carvalho - Com a envolvente maravilhosa dos verdes das suas árvores, dos seus parques e dos seus jardins, Lisboa tem uma tonalidade global que faz lembrar o quente suave do rosa velho.

Pensar Lisboa - Numa palavra, Lisboa é...?
Bruno de Carvalho - Única

5 comentários:

  1. Grande entrevista Bruno. Parabéns. Um tipo que também pensa e sabe o que diz.

    ResponderEliminar
  2. A melhor rubrica que vocês já tiveram.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Anónimo.... quer enviar as suas respostas?

    ResponderEliminar