sexta-feira, 7 de setembro de 2012

O caos do Túnel!


(...) As obras começaram há duas semanas, com a garantia dada pelo presidente da câmara, António Costa, de que «não iriam afectar o trânsito», que só seria alterado em Setembro.


in Sol 7 de Agosto, 2012


(...) Fernando Nunes da Silva espera que a maioria dos trabalhos fique concluída no fim de semana, mas salientou que, na segunda-feira, a circulação continuará a estar condicionada no sentido Amoreiras-Saldanha.

in DN 31 agosto 2012


Após estas declarações de quem governa a cidade de Lisboa, o Pensar Lisboa decidiu ir ver com os próprios olhos o ponto de situação no Túnel do Marquês de Pombal.

Em pleno início do mês de Setembro, sem o horário escolar a começar e fora das tradicionais “horas de ponta”, visitámos esta zona central da cidade de Lisboa.

O que encontrámos nesta praça central?





 

Isto...!

Conversámos com peões e taxistas. A opinião era unânime. Reacções como «é o pandemónio total», estão a tornar Lisboa num «caos permanente» foram as expressões mais ouvidas. Um taxista chegou mesmo a afirmar que «Num trajecto Rossio / Saldanha, avisamos os clientes que é preferível dar uma volta maior (que não lembra nem ao diabo), do que vir pela Avenida da Liberdade». Outro referiu que há um acréscimo de €5 em média na corrida, apenas por atravessar esta zona do Marquês.

Estas foram algumas das muitas opiniões que recebemos.

Nesta altura em que o País enfrenta uma das mais graves crises sociais, com os portugueses a sofrerem cortes e perderem empregos, cada euro gasto por uma autarquia como a da cidade de Lisboa merece a máxima fiscalização. Nesse sentido, depois de ver no terreno e auscultar a população mais afectada, deixamos algumas questões ao Executivo, que seriam úteis para entender a urgência de criar o caos no túnel do Marquês:

1)             qual a sua justificação técnica e  politica com esta obra - que ganhos para a cidade de Lisboa e para os lisboetas?
2)             qual o custo final associado a esta obra?
3)             quanto custará esta obra, se no fim, se tornar necessário repor todo o esquema de circulação original?
4)             qual o custo estimado em horas de trabalho perdidas, resultante desta intervenção?
5)             que esclarecimentos foram dados pela Autarquia, aos automobilistas / operadores de transportes públicos, que alternativas foram apresentadas?
6)             Como se pode entender que esta intervenção, cause mais distúrbios na circulação do que na altura do inicio da construção do túnel do Marquês?
7)             Questionamo-nos sobre a existência de projecto para esta intervenção?

O Marquês não é apenas mais uma rotunda no centro da cidade de Lisboa, a rotunda do Marquês de Pombal, é o principal nó de distribuição viária da cidade.

Ora, esta intervenção no Marquês de Pombal, não pode ser suportada de modo nenhum, como a última ferramenta que esta Autarquia possui, para restringir a circulação à Baixa de Lisboa e, assim reduzir a emissão de gases nocivos para o ambiente.
O que sabemos, é que esta medida, não acautelou o aumento potencial de gases para a atmosfera, decorrente das actuais filas de espera provenientes da Avenida Joaquim António  Aguiar (A5 e ponte 25 de Abril), como da própria Avenida Fontes Pereira de Melo.

 Já hoje, esses valores elevados se fazem sentir por todos e ainda não começou o período escolar! 

Esta medida, não vai retirar carros da Baixa, apenas vai tornar o seu acesso mais demorado. A autarquia se quer reduzir a emissão de gases, tem de restringir a circulação de veículos assumidamente poluidores, como os táxis e autocarros - não à custa do transporte particular.

Este não é o caminho!

Uma última nota: a falta de elegância de nem sequer pedir desculpa aos automobilistas que por lá passam e sofrem horas de desespero. Fica mal, não custava nada já que por lá, já existem placards a publicitar a obra. São posturas.

19 comentários:

  1. penso que os textos deviam começar a ser assinados.

    digo isto, pq adorava saber quem foi a besta que escreveu isto:

    "A autarquia se quer reduzir a emissão de gases, tem de restringir a circulação de veículos assumidamente poluidores, como os táxis e autocarros - não à custa do transporte particular"

    a sério? mas TU PENSASTE 2 segundos que seja antes de debitares tamanha alarvidade ?!?!?!?!?

    já agora, explica-me a razão de um taxi poluir mais que um carro particular?

    quanto ao autocarro, sim, polui mais... mas não te esqueças de dividir pelo número de pessoas que circula dentro de um autocarro... que até há pouco tempo, era "ligeiramente" superior ao de um veiculo particular.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto vindo de quem assina como anónimo é algo de priceless

      Eliminar
  2. É o Costa no seu melhor.

    Excelente reportagem do Pensar Lisboa.

    E sim, os objectivos destas obras estão encapotados... alarvidade é o que estão a fazer e o que está a causar terríveis consequências para o impacto ambiental.

    E onde anda o Zé pá?

    ResponderEliminar
  3. A autarquia se quer reduzir a emissão de gases, tem de restringir a circulação de veículos assumidamente poluidores, como os táxis e autocarros - não à custa do transporte particular.

    Antes de condenar vou pedir a explicação - somente por cortesia de pensador.

    ResponderEliminar
  4. quem reclama das filas, pq não vão por outro caminho?

    ResponderEliminar
  5. a própria autarquia tem esta noção, pois senão, não teria estendido o prazo dado aos taxis para colocarem novos catalizadores, agora, segundo a nova versão, estes, terão ate ao inicoi do ano para se adapatarem...vamos lá ver

    ResponderEliminar
  6. Ora bem, caros anónimos e JFD.

    O último anónimo disse tudo! É noção da própria autarquia de que os táxis são veículos poluentes e precisavam de novos catalizadores. Por isso essa frase aí. Felizmente levantaram a questão...

    Mas é por isso que estas obram estão a acontecer?

    Qual o fundamento então?

    Fica a dúvida...

    ResponderEliminar
  7. mas Diogo, explica lá como é que um autocarro polui mais?

    e quanto aos taxis... os que poluem mais são os mais antigos... que não são todos.

    ResponderEliminar
  8. Pretende-se, com esta solução, facilitar o atravessamento dos peões, permitindo a sua circulação a toda a volta do Marquês de Pombal de forma mais protegida, bem como melhorar a rede de percursos pedonais ao longo da Avenida e entre as encostas.

    Esta alteração pretende, ainda, disciplinar o sistema de cargas e descargas e ordenar o estacionamento local, contribuindo para a redução do volume de tráfego e a consequente diminuição dos níveis de ruído e de poluição atmosférica, na sequencia de um “Estudo de Tráfego e de Emissões de Poluentes”, realizado pela Universidade de Aveiro em parceria com a CML.”

    ResponderEliminar
  9. quem polui na baixa???
    http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=23317

    ResponderEliminar
  10. ahhh espera... se um taxista o diz, é pq deve ser verdade.

    caralho, se acreditássemos em todo o que é dito pelos taxistas, estavamos bem fodidos.

    ResponderEliminar
  11. Oh senhor anónimo que sabe tanto. E era mesmo preciso estas obras? E em Setembro? Então Agosto é bom é na prainha não?

    Santa Paciência meninos.

    ResponderEliminar
  12. Olha olha eles andam assanhados. Então então não há adversário para o Costa temos Pensar Lisboa como alternativa?

    Ai ai camaradas, a vida Costa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Camarada, enquanto militante do PS, e apoiante de António Costa sinto-me completamente envergonhado pela sua postura. "eles andam assanhados"? mas que expressão é esta? E o senhor anda enervado com estes jovens do blog? Tem medo que lhe tirem o poleiro? Pense que quem hoje está no poder amanhã pode cair e aí é que são elas! E caro camarada se fosse a si não me identificava como militante do PS, pois muitos sairão por sua causa! Já todos percebemos que o Camarada é daquelas "agarradinhos" à estrutura!!

      Eliminar
  13. ohh Eduarda, até agora ninguém disse que setembro era melhor que agosto... obviamente quem planeou as obras deveria ter tido isso em conta.

    alias, deveria ter pensado nisso e realmente pensou, pois as obras deveriam ter sido concluidas antes de setembro... mas para variar é o país que temos.

    até agora, só comentei a alarvidade referida pelo autor do post.

    por isso, Eduarda, pode parar com a sua retórica de merda contra mim.

    ResponderEliminar
  14. Tem dentinhos para falar bem!

    Alarvidade é o que está para aqui a escrever.

    ResponderEliminar
  15. Isto está bastante animado!

    Adoro quando se critica alguém que escreveu com opinião de Eleitores quando ao mesmo tempo os que foram eleitos por eles não se importam com Eles e tem de ser um Blog a meter o dedo na ferida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo para perguntar e essa gente da JS e da JSD? Que é que anda a fazer? Onde é que anda a "jardineira" da Concelhia de Lisboa?

      Eliminar
  16. Bem, bem, bem... O que para aqui vai: priceless...

    Não sei o que será mais engraçado: se os anónimos adorarem ser anónimos e não darem a cara; se a discussão para saber quem é mais poluente; se a existência das obras no Marquês.

    O mais engraçado disto tudo é tão só isto: viajar, andar pelas capitais europeias dos "países civilizados e avançados da Europa" (expressão do séc.XIX) e reparar que nada se passa comparado com isto (sim, apenas digo isto porque tenho a curiosidade de ver as notícias locais dos jornais das capitais que visito). Nós Portugueses, somos tão atrasados em termos civilizacionais, até mete dó...

    Se as obras no Marquês eram necessárias? Até admito, mas, pessoalmente, nunca me queixei da facilidade/dificuldade de circulação na rotunda, quer na Av. da Liberdade. Se alguma vez teremos explicações? Naturalmente que não, estamos a falar de uma governação socialista, logo, o silêncio é de ouro e nada se diz. Especialmente acompanhados por um Zé que é um incompetente por natureza.

    Se estas alterações vão ser benéficas? Eu nem sei o que vou almoçar amanhã ou se estou vivo amanhã, mas de uma coisa eu sei: até hoje em dia, soluções socialistas, nas suas mais variadas formas, nunca deram bom resultado. É só olhar para História.

    Enfim...

    ResponderEliminar