segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Lá vai Lisboa...


Um reformado, que passava, esta segunda-feira, junto à apresentação do novo sistema de circulação rodoviário no Marquês de Pombal, em Lisboa, conseguiu detetar aquilo que passou despercebido aos que ali estavam: a Câmara não criou nem sarjetas, nem caleiras, e não prevê construí-las até Dezembro. O idoso obrigou a diretora municipal a admitir "falhas técnicas".
foto ANDRÉ AFONSO/GLOBAL IMAGENS
Reformado obriga Câmara de Lisboa a admitir "falhas" em obra
Diretora municipal reconheceu "falhas técnicas apontadas"
As alterações na rede viária da Avenida da Liberdade - uma das mais poluídas da Europa -, que decorreram nas últimas semanas, durante dia e noite, não contemplaram a construção de sumidouros na rotunda exterior do Marquês de Pombal.

Só quando terminar a fase de testes ao novo formato de circulação e se o resultado corresponder aos objetivos do município, é que, então, tais estruturas de escoamento de águas surgirão - de modo a que não se encareça o investimento inicial, de 750 mil euros, sem se perceber se resultará.

A ausência de uma rede de sarjetas passaria despercebida, esta manhã, durante a apresentação do novo conceito da Rotunda do Marquês de Pombal, com a presença do presidente da Câmara de Lisboa, António Costa (PS), e dos vereadores do Urbanismo, Manuel Salgado, e Mobilidade, Fernando Nunes da Silva, se um simples cidadão não interrompesse o líder municipal, questionando sobre aquela falha.

"Senhor presidente, ninguém me encomendou este sermão, mas deixe-me que lhe diga: além da magnífica obra, a Câmara conseguiu criar o futuro 'Rio do Marquês'", começou, por dizer, Luís Garcia, de 74 anos.

Este reformado, antigo trabalhador da construção civil, que atalhava caminho em direção às instalações da EDP, ainda tentou interromper António Costa, quando este discursava. Como não pôde falar, Luís Garcia tratou de inspecionar a obra naqueles instantes. Assim que o autarca lhe permitiu intervir, o ex-eletricista acusou os técnicos municipais de "não saberem fazer obras".

2 comentários:

  1. Tipica obra tuga... faz-se e passado umas semanas volta-se a esburacar tudo e encher de remendos!

    E pagamos nós... Amanhã vão dizer que foi culpa da oposição que não se lembrou disso... O Zé devia embargar a obra!

    ResponderEliminar
  2. Grande Alfacinha! Deviamos descobrir este senhor e pedir-lhe um texto!

    ResponderEliminar