sexta-feira, 20 de julho de 2012

Loures e Lisboa - o problema irresolúvel da Parque Expo

O problema é recorrente e, nós, já aqui o tratámos (aqui, aqui, aqui, e aqui). Agora surge esta pérola: "Isto é uma bandalheira absoluta, mas não vamos ser nós a vestir a noiva para outro a despir!". Mas esta pérola linguística encerra um problema grave, que demonstra a total incompetência da actual gestão camarária (estará alguém admirado a esta altura...?).

Declara o Presidente da Câmara de Loures, douto sábio da cultura popular portuguesa: "Não faz sentido engordarmos o porco para outros comerem as febras.". Vale a pena ler...

"Trocado por miúdos, isto quer dizer que a Câmara de Lisboa ficaria responsável pela recolha do lixo e pela manutenção do espaço público de todo o território da antiga Expo-98. Acontece que o município dirigido por António Costa só aceita a incumbência a troco das correspondentes dotações financeiras.

O presidente da Junta de Freguesia dos Olivais, Rosa do Egipto, que interpôs, juntamente com a associação de moradores do Parque das Nações, uma providência cautelar para impedir Assunção Cristas de prosseguir para já os seus intentos, explica porquê: "Ao que sei, a manutenção dos espaços verdes e a recolha de lixo no Parque das Nações [baseada num sistema de condutas subterrâneas que exige uma recolha mais dispendiosa do que a do resto da cidade] custam meio milhão de euros por mês." A pedido de Cristas, este autarca suspendeu a providência cautelar, mas vai ameaçando: "Se as negociações entre a ministra e a Câmara de Lisboa não correrem bem, reactivá-la-emos."

O comunicado do Conselho de Ministros não explica quando nem em que moldes será transferida a gestão dos terrenos, e se ela inclui também edifícios emblemáticos como o Pavilhão de Portugal, que o Governo quer vender. No comunicado, lê-se apenas que foi determinada a transferência para o município de Lisboa "das infra-estruturas afectas ao uso público e ao serviço público urbano", como arruamentos e parques, e da "posição contratual [da Parque Expo] nos contratos de empreitada de obras públicas, locação e aquisição de bens móveis e serviços", como mobiliário urbano."


Toda a peça jornalística é uma peça inolvidável. Apenas deixo mais esta, para aguçar o apetite: "Para complicar tudo, nem António Costa nem o seu homólogo de Loures reconhecem dívidas que a Parque Expo e o Governo lhes atribuem, num total de 100 milhões de euros."

Portugal no seu melhor... 

3 comentários:

  1. Que bandalheira e que cambada de ignóbeis indignos dos cargos que ocupam. Essa linguagem é o espelho da falta de educação e de princípios que reina no seio dessa gentalha. Que nojo de expressão: "Não faz sentido engordarmos o porco para outros comerem as febras". Que nojo de luta de classes. São todos uns ressabiados e preconceituosos! É isto (repito: isto!) que nos governa e administra no poder central e local. Uma corja que nem a 4ª classe tem e que cá está há 38 anos a afundar o país, pondo interesses (sabe-se lá quais) à frente da Nação. Mais não digo para não me estragar o resto do dia.

    ResponderEliminar
  2. José Pinto Coelho, concordo inteiramente consigo. Que lixo de gente.

    ResponderEliminar