segunda-feira, 2 de julho de 2012

António Mega Ferreira e CML: o rei vai nu














A propósito deste vídeo, que o meu caro colega Diogo Agostinho teve o condão de divulgar.

Consta que a CML lá aprovou a contratação de António Mega Ferreira, para realizar o tal estudo com o objectivo de "criar um programa criativo, uma estratégia para os museus municipais". À primeira vista, o objectivo parece ser meritório, não fosse a argumentação apresentada: "Para isso não precisamos de um museólogo mas de alguém que esteja habituado a pensar a cultura e a cidade.". Pretende-se renovar o Museu da Cidade, mas considera-se que não deve ser um museólogo, mas sim alguém que pense a cultura e a cidade.

Reconheço que o spin está muito bem feito, e que a argumentação é engraçada, mas este exercício de oratória enferma de uma profundíssima demagogia, senão mesmo, de pura e impressionante incompetência. Pensar a cultura? Não lhe meto em causa o currículo, mas uma vida inteira dedicada à escrita, com uma passagem pelo CCB, não é garantia de uma visão estruturada sobre o que deve ser a Cultura. Ademais,pensar a cidade? Desconheço qualquer escrito de Mega Ferreira, ideológico, com uma visão estruturada de Lisboa. Desafio o leitor a indicar.

Diz o povo: "À mulher de César não basta ser séria, também tem que o parecer". E em todo este processo não basta a CML ser séria, também tem que o parecer: esquecer-se de técnicos internos ou quem já tenha pensado Lisboa, é sintomático disso mesmo. No fundo, é a típica atitude socialista perante os problemas: convida-se um amigo, paga-se de forma principesca, e tudo fica muito bem na fotografia. A isto tenho apenas uma coisa a dizer: isto não é Política, isto é incompetência abjecta e uma forma triste de brincar com os lisboetas.

8 comentários:

  1. Como é possivel alguém que não percebe nada de museus vir pensar a cultura?

    Não havia ninguém pela CML com competências? E a Vereadora da Cultura não deveria ela pensar a cultura?

    Haja vergonha

    ResponderEliminar
  2. Caro Anónimo, lança aqui uma excelente questão...

    ResponderEliminar
  3. Diogo, não ves que o amigo ficou sem lugar? Era preciso um estudo intenso claro está. Nada melhor do que mudar de ares, agora venham os museus e será Mega Cool.

    ResponderEliminar
  4. Caro Anónimo, a minha resposta remeto-a para o link do vídeo que coloquei, da intervenção, creio, de uma vereadora do PSD. A sua intervenção é esclarecedora quanto à lógica xuxalista de colocar os amigos nos cargos, em vez de rentabilizar a qualidade interna da CML. Que é, a meu ver e até prova em contrário, insuspeita e dotada de bastante mérito.

    ResponderEliminar
  5. Não concordo nada com a critica que estão a fazer a esta nomeação! É verdade que se trata de uma nomeação politica, mas na minha opinião o Dr. Mega Ferreira até tem algum valor!

    Esperemos pelos resultados. Noutros tempos também se gastou "rios" de dinheiro em estudos que depois de nada serviram!

    Não acham que deviam dar o benefício da dúvida?!

    ResponderEliminar
  6. Oh Carlos Miguel, Valor terá, mas isto cheira a arranjinho de primeira.

    ResponderEliminar
  7. Fez um trabalho meritório na Gestão do Parque Expo, quem sabe se com esta estratégia para os museus municipais não conseguirá revitalizar outras zonas da cidade, deixadas ao abandono mas com imenso potencial. um caso gritante para mim 8apesar de não ser museu municipal) é o Museu Nacional do Traje e o Paço do Lumiar. Aquela zona de Lisboa sem dúvida que merecia ser olhada de outra forma...

    ResponderEliminar
  8. Enfim, acho que está tudo dito por aqui!

    ResponderEliminar