domingo, 24 de junho de 2012

Já conhece o novo esquema de circulação rodoviária na Avenida?

O Marquês de Pombal terá duas rotundas, uma interior (para as ligações às Avenidas da Liberdade e Fontes Pereira de Melo, e rua Joaquim António de Aguiar) e outra exterior (para os restantes movimentos); a avenida da Liberdade terá menos três faixas (uma de estacionamento em cada uma das laterais, e a via do meio do eixo central).

São estas as principais novidades do novo conceito de circulação para o eixo da Avenida da Liberdade / Marquês de Pombal, uma proposta dos vereadores Fernando Nunes da Silva e Manuel Salgado.

A proposta tem por base as conclusões de um estudo sobre tráfego e emissões poluentes, realizado pela Universidade de Aveiro. O autarca lembrou que Lisboa tem "um problema grande qualidade do ar na Avenida da Liberdade". Para o enfrentar, é preciso reduzir o número de viaturas e aumentar a fluidez e a segurança das que circulam. Ao mesmo tempo, criam-se "mais passagens para peões". Para a câmara,o objetivo é "dar às pessoas uma nova Avenida da Liberdade".

A nova solução será testada entre setembro e dezembro. "Com os dados recolhidos durante o período experimental, será possível avaliar da operacionalidade do modelo proposto, corrigindo e adequando a solução final antes da sua implementação definitiva", lê-se na proposta camarária.

Com o novo ordenamento previsto, a futura rotunda interior libertará área que será ocupada por espaços verdes, pois passará das atuais cinco faixas para apenas três. Esta será, no fundo, a principal rotunda, pois garantirá os principais movimentos na praça.

Já a rotunda exterior, por onde circularão os transportes públicos, terá duas faixas e assegurará as ligações às restantes vias que confluem no Marquês de Pombal (Rua Braancamp e Avenida Duque de Loulé).

Descendo a praça em direção aos Restauradores, a partir do cruzamento da Rua Alexandre Herculano, começam as grandes novidades na Avenida da Liberdade. Na placa central, onde hoje há cinco faixas, haverá futuramente apenas quatro, com um corredor de separação entre o sentido ascendente e descendente.


Nas vias laterais, o trânsito será feito ao contrário: desce-se pela esquerda, junto ao "Diário de Notícias", e sobe-se pelo lado do cinema São Jorge. Mas a nova orientação está longe de ser linear. Por exemplo, quem começa a descer a Avenida não o poderá fazer pela faixa lateral até aos Restauradores. Após o primeiro quarteirão, terá de retornar ao eixo central, para depois voltar à via lateral.

Uma alteração de fundo em toda a avenida, tanto no eixo central como nas laterais, é a proibição de virar à esquerda, que no modelo atual é uma das causas dos engarrafamentos.

No total, na Avenida da Liberdade, em vez das onze faixas atuais (sete de circulação, cinco delas no eixo central, e quatro de estacionamento) haverá oito (seis de circulação, quatro das quais no eixo central, e duas de estacionamento). Será alargado o espaço para passeios junto aos edifícios, que terão mais dois metros.

2 comentários:

  1. Caro pensador Nuno,

    Acha bem estas mudanças?

    ResponderEliminar
  2. Aprovo estas medidas. Há 4 anos que a EU indica a poluição como um grave problema a resolver. Rehabilitar a baixa é prioridade se queremos que a economia avançe e a cidade se renove. Mais passeio na avenida? Só pode ser bom, estamos no centro da cidade; mas até agora isso não se revia no trajecto pedonal.

    Quanto ao Marquês: O desenho aponta algo semelhante a uma turbo-rotunda e parece-me bem no ponto de vista de orientar o tráfego para os eixos principais e pensar duas vezes nos atalhos que se mostram deficitários para o bem comum das massas a deslocar.

    ResponderEliminar