sexta-feira, 9 de março de 2012

Rubrica: Lisboa aos olhos de João Alves

E para finalizar a semana, chega a visão de mais um membro do Pensar Lisboa. Uma visão do nosso estimado João Alves, com um olhar mais sulista, mas atento sobre Lisboa. Porque Pensar Lisboa carece de todas as opiniões, vamos continuar a solicitar a outros, mas a partilhar as nossas também.

Pensar Lisboa -O que mais gosta na cidade de Lisboa?
João Alves – Tanta coisa que nem sei por onde começar… Cidade bairrista, Lisboa é uma cidade que primeiro estranha-se mas depois entranha-se… A espontaneidade e personalidade das pessoas permite que o dia seguinte nunca seja igual ao anterior! Logo pela manhã, adoro a azáfama e o stress matinal, dá-me adrenalina para o resto do dia! Gosto da zona de Belém, dos bairros e a sua eterna e histórica rivalidade, da zona da Expo… Adoro a pontes que ligam a cidade à margem sul, duas magníficas obras de Engenharia! E os miradouros, lindos… Em qualquer um deles se consegue observar facilmente a graciosidade e grandiosidade desta cidade! Tudo isto e muito, muito mais… Em Lisboa descobri o que era viver, conheci amigos para toda a vida e a mulher da minha vida, que poderia querer mais?

Pensar Lisboa - O que menos gosta em Lisboa?
João Alves – Da falta de critério e rigor que a EMEL e a Polícia Municipal apresentam, independentemente de estarem a fazer (por vezes bem) o seu trabalho; da relutância dos sucessivos governos em avançar com um plano de reforço sísmico das infra-estruturas básicas e essenciais e do património histórico da cidade (apesar da Assembleia da República ter sido alvo recentemente de obras de reforço anti-sísmico…) Assusta-me saber que mesmo os hospitais apresentam um risco enorme de colapsar em caso de um sismo; da recolha, muitas vezes deficiente e deficitária, do lixo; da inexistência de uma estação de metro no Aeroporto da Portela, impensável nos dias de hoje numa cidade como Lisboa.

Pensar Lisboa - O que mudava em Lisboa?
João Alves – Lisboa, para mim, é quase perfeita e, infelizmente, muitas das coisas que precisam de ser alteradas / melhoradas não dependem exclusivamente das pessoas que nela habitam… Claro que há alguns aspectos como o lixo, a falta de segurança em algumas zonas, etc mas isso pode ser facilmente contrariado! Só porque é difícil não se gostar de Lisboa, é importante não ficar parado no tempo e continuar a explorar ao máximo o enormíssimo potencial que a cidade apresenta!

Pensar Lisboa - O que recomendaria a um turista em Lisboa?
João Alves – Ora bem, guia turístico para um dia em Lisboa: acordar bem cedo, seguido de um longo passeio a explorar a Baixa e os bairros históricos na sua periferia, um final de manhã no miradouro da Graça acompanhado por uma Sagres ou SuperBock, uma tarde bem passada na zona de Belém visitando os seus monumentos e comendo um delicioso e único Pastel de Belém, um fim de tarde a ver o pôr-do-sol à beira do rio Tejo, um jantar em Alfama (se for na altura dos Santos Populares tanto melhor) a ouvir um fado vadio e, por fim, “perder-se” nas ruas do Bairro Alto… Parece-me um bom plano, não acham? Plano para mais que um dia? Repetir o dia descrito (e não se preocupem porque será, certamente, diferente… J) Ah, arranjem uma boa máquina fotográfica e tirem fotos, muitas fotos!!

Pensar Lisboa - Com que cor identifica Lisboa?
João Alves – Pergunta difícil, uma vez que não consigo encontrar uma cor que se destaque em relação a todas as outras… Mas talvez o amarelo torrado do Sol ao fim do dia, dos Pasteis de Belém, dos eléctricos…

Pensar Lisboa - Numa palavra, Lisboa é...?
João Alves – Apaixonante, sem dúvida!

1 comentário: