quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Volta das Juntas: Campolide

E o Pensar Lisboa continua a sua volta. Uma volta pelas juntas de freguesias da cidade de Lisboa. Ontem foi a vez de visitarmos Campolide. Para nos receber estava André Couto, o jovem Presidente da Junta. Num bairro acolhedor, entrámos no edifício da Junta e conversámos sobre a zona, sobre Lisboa e os jovens e a participação cívica.

Começámos por uma ideia lançada por nós: um espaço de partilha de práticas pelas juntas de Lisboa. Ora, se cada junta se fecha sobre si própria, não conhece o que o vizinho faz ao lado. Porque não um espaço informal para os diferentes Presidentes de Junta falarem e trocarem experiências? Fica a sugestão, bem aceite pelo André.

Iremos falar do André, desde logo pela conversa informal que foi e pela idade: 29 anos. Com uma equipa que ele próprio se orgulha de ser mais jovem. Com membros do executivo também jovens. O André lançou-nos o repto: participação de jovens qualificados no debate de ideias e no combate político. Ser Presidente de Junta não é reforma ou só para os acima de 40. Ora, foi este combate que o André se lançou. Com carta branca para escolher a sua equipa venceu em 2009 a Junta de Campolide. Contra um Presidente e com duas vantagens que nos apontou: Juventude e ser da zona. Viver lá e ser conhecer desde o Sr. Júlio ao Sr. Valentim, sapateiro conhecido de Campolide. Esta vantagem é também “aproveitada” no dia-a-dia, dado que ir ao supermercado, almoçar ou simplesmente passear, é abordado por fregueses, onde diz aprende e gosta de ouvir tudo o que querem dizer.

Campolide, tinha uma divida de 300 mil euros, com um orçamento de 800 mil. Hoje, apresenta um orçamento de 1 Milhão e 300 Mil Euros. Números que impressionam e foram permitindo o crescimento de obra: a biblioteca, o posto médico, a sala informática e o auditório. Zonas que estão hoje ao serviço dos fregueses de Campolide e permitem também à própria junta conseguir algumas verbas para canalizar para outras infra-estruturas.

Falámos ainda dos protocolos e concursos da Câmara. Referiu-nos que para uma Junta ter verbas deve estar sempre atenta e a apostar nas candidaturas aos concursos que abrem. Orgulha-se de ter conseguido todos os concursos, apenas com uma mágoa. No Orçamento Participativo, Campolide ficou em 7º lugar para a instalação de um Polidesportivo.

A educação foi outro dos temas abordados. A criação de dois parques infantis, infra-estrutura que não existia na Freguesia e o apoio dado com um sistema próprio de transportes complementar ao da Câmara “Os Alfacinhas” que abrange alunos do Jardim Infantil. Conhecemos também um projecto muito interessante. Em parceria com a Universidade Nova de Lisboa, a Junta de Campolide identifica idosos com disponibilidade para receber jovens universitários, sendo o mesmo trabalho elaborador pela Nova e depois com alguns passos de consolidação, potenciam a dormida aos Jovens de forma gratuita e em troca estes acompanham os idosos e apoiam na ida ao Supermercado, às compras ou na simples companhia. Numa altura de tantas notícias de mortes solitárias, está aqui um passo a ser explorado.

Mas esta é também uma Freguesia virado para o espectáculo, com cursos dados pela actriz Rita Ribeiro, que tanto dá a crianças como a idosos, estão envolvidos assim no projecto “Quem conta um conto”.

Ainda no campo do apoio aos idosos e da segurança, a Junta fez um apelo e um trabalho conjunto com a PSP de forma a reforçar a presença policial em dias de receber as reformas, dias esses que tinham muitas queixas de assaltos.

Da segurança fomos até aos dois Bairros Sociais de Campolide: Bairro da Liberdade e Bairro da Serafina, com população idosa e de classe baixa. Esta freguesia toca um pouco em diferentes realidades, com as Amoreiras e Twin Towers a serem uma zona mais urbana e de classe alta, em contraste com os casos referidos e ainda o Bairro da Bela Flor, aí com uma população mais jovem. Campolide estima-se que tem 22 mil habitantes a residir permanentemente. Uma Freguesia que não irá ser alterada com a nova reforma administrativa da cidade de Lisboa. Reforma essa que o Presidente da Junta concorda e apoia. Sendo que o aumento de competências das juntas irá, na sua óptica, proporcionar uma melhoria para os fregueses.

Ficámos com um olhar atento pelas diferentes realidades da Campolide. Visitámos ainda as infra-estruturas da Junta e levámos a lição: é preciso gosto e paciência para o exercício de funções executivas nas Juntas de Freguesia.

Uma palavra ao Presidente André Couto, pela recepção que nos deu e a amabilidade em explicar, partilhar e dar-nos a conhecer Campolide.

Sem comentários:

Enviar um comentário