terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Volta das Juntas: São José

O Pensar Lisboa inicia aqui uma nova actividade. O objectivo é o mesmo que nos levou à formação deste blogue. Ouvir e aprender. Iniciamos aqui a "Volta das Juntas". Onde o objectivo é conhecer as Juntas de Freguesia da cidade de Lisboa. Numa época de dificuldades importa ouvir e aprender com quem contacta directamente com a população lisboeta. 

Estivemos na Junta de Freguesia de São José. Em pleno coração lisboeta, o Presidente Vasco Morgado recebeu-nos com toda a gentileza. Entre sacos de prendas e ofertas que chegaram desde Bragança para as crianças da zona residente, e o gabinete do Presidente, conversámos sobre Lisboa. Uma conversa sem filtros e directa. Reabilitação foi tema de ordem. Os prédios a ruir e o apoio que se deve dar quer aos arrendatários, quer aos inquilinos. São José, com uma população de 3500 habitantes, está entre a Avenida da Liberdade e o Campo de Santana. 

Lisboa não sejas francesa foi mote de conversa também. Na opinião do Presidente Vasco Morgado, gerir Lisboa é gerir com as suas colinas e não como se fosse Paris. Frase acertada e que nos levou a uma análise da actual gestão camarária. Referência à ausência do Casino de Lisboa na Avenida da Liberdade, que iria potenciar a zona, não só em infraestruturas, como em segurança. Mas também a organização da Grande Lisboa foi tema de discussão. A necessidade de coordenação entre municípios como Oeiras, Amadora, Odivelas e Loures e até mesmo um transporte única para todas estas zonas.
Reorganização administrativa foi tema que não podia faltar. O Presidente é a favor e acredita que com mais força as juntas só podem ser mais úteis. Utiliza as redes sociais de forma a chamar a atenção para o trabalho que desenvolve e afirma mesmo que um Presidente de Junta deve estar em permanente contacto quer com a população quer com organizações que ajudem a Junta. Garantiu apoios para merchandising, apoia jovens a encontrarem local para a sua actividade, tem mesmo o programa de "Procura Empreendedores". Com um site atractivo e um boletim informativo, deu-nos conhecimento do apoio na recuperação da Igreja de S. José dos Carpinteiros e da oferta de baldes de tinta, para casas em mau estado. 

Foi uma conversa produtiva em que se sentiu a vontade de servir os fregueses. Um excelente pontapé de saída. Pensar Lisboa requer ouvir as Juntas de Freguesia., pelo trabalho meritório que desenvolvem e o pensamento estruturado que têm da cidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário