segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A má imagem interna de Lisboa

É um facto indesmentível que a maioria da população de Norte, Trás-os-Montes, Beiras, Alentejo ou Algarve, tem má imagem de Lisboa e dos Lisboetas. Está enraizada a ideia de que em Lisboa não se trabalha. Ao invés, vive-se à custa do resto do país.

Esta ideia é a meu ver meio verdadeira, e meio justa. Ela tem uma única origem: a centralização. O facto de o poder político ter sido ao longo dos anos, demasiado centralizador, fez com que o resto da população ficasse com imagem negativa da capital.

A verdade é que em Lisboa (e na sua área metropolitana) se têm concentrado os maiores investimentos do país, e também os maiores eventos e acontecimentos nacionais e internacionais. E se fosse impreterível que alguns aí estivessem, outros manifestamente não.

O facto é que a população de Lisboa não tem necessariamente culpas neste cartório. Não foram os Lisboetas que pediram a Expo 98, o CCB ou outros grandes eventos e investimentos. Alguém os quis fazer em Lisboa, e obviamente agora eles tiram partido.

É perfeitamente compreensível que os portugueses que vivem fora da área metropolitana de Lisboa tenham inveja ou desdém. Afinal de contas eles contribuem (através dos impostos) na mesma medida, mas recebem uma ínfima (ou nenhuma) parte do que tem Lisboa.

Mas é injusto, para quem vive em Lisboa, ser acusado e invejado por decisões que não lhe couberam. Decisões essas, muitas vezes tomadas por governantes que provêm das outras zonas do país, e que chegando a Lisboa se deixam embebedar pelo poder, esquecendo as origens.

Não se pode confundir Lisboa com o Governo e as entidades públicas/privadas que pairam à sua volta. E não se pode confundir os Lisboetas com os funcionários desse Governo e dessas entidades públicas/privadas. Esta é uma colagem perigosa e injusta.

Lisboa precisa de se soltar deste estigma. E se os políticos que gerem a cidade não o conseguem fazer (muitas vezes até aprofundam essa marca), terão de ser os Lisboetas a fazê-lo. O primeiro passo é interessar-se e participar civicamente na melhoria da cidade.

Cabe aos Lisboetas intervir e participar activamente. Cabe-lhes tornar a cidade hospitaleira e sem preconceitos. Cabe-lhes construir uma Lisboa verdadeiramente cosmopolita. Cabe-lhes descolar-se da imagem negativa de alguns concelhos vizinhos.

Sem comentários:

Enviar um comentário