sábado, 31 de dezembro de 2011

Episódio no 28 da Carris

Se me permitem, vou contar um episódio que hoje presenciei, e se passou dentro de um autocarro da Carris. Faço-o porque acho que diz muito sobre a cultura (com "c" pequeno) instalada neste país.

Entrei na carreira 28 e à minha frente dois gunas, que não passaram passe nem compraram título, foram interpelados pelo motorista "Desculpem. Se não validam verde vão ter de sair". Saíram sem piar.

Eu - Muito bem. Antes fossem todos como o senhor.
Motorista - Pois é. Mas sabe que nem eu sou sempre assim.
Eu - Compreendo perfeitamente. É um risco.
Motorista - Claro. Estamos sujeitos a ser agredidos.
Eu - No mínimo insultados...
Motorista - Isso é pouco. Ainda há dias um colega foi agredido.
Eu - É uma vergonha. Por dizer que tinham de pagar bilhete?
Motorista - Sim. E depois quem perde somos nós e a empresa.
Eu - Como assim?
Motorista - A carreira já não se faz e nós é que ficamos amassados.
Eu - Pois. Realmente...
Motorista - Eu digo-lhe, sem exagerar, 50% das pessoas não paga.
Eu - Ando todos os dias de autocarro e também tenho essa noção.
Motorista - São jovens, adultos, idosos. Ninguém quer saber.
Eu - Pois, é uma cultura que se instalou. Ninguém respeita.
Motorista - Ouça, este país é uma selva, cada um por si.
Eu - Há também um sentimento enorme de impunidade.
Motorista - E a empresa, enquanto for pública, borrifa-se.
Eu - O buraco é de centenas de M€ e estas borlas contribuem muito.

E a conversa estendeu-se pelos 20 minutos da viagem. Na verdade o problema da Carris (e de outras Empresas Públicas) advém da falta de uma política integrada de transportes, mas também do desleixo das administrações, bem como do sentimento de impunidade e da falta de respeito dos utentes.

6 comentários:

  1. Clarissimo! Revela bem o que se passa por aí...

    É um sentimento de impunidade total. E o principal problema começa na Justiça.

    PS - o que são gunas?

    ResponderEliminar
  2. :) São aqueles de boné, calças pelo cu abaixo, andar à "nigga", música no telemóvel sem head-phones, olhar trocista e provocador... enfim... como lhes chamas tu? :)

    ResponderEliminar
  3. Ui! Chamaria Dreads? Lol.

    Já cheguei lá. Descrição perfeita. Vejo muitos por aí.

    ResponderEliminar
  4. Vês?
    Vais-me dizer quando foi a última vez que entraste num autocarro.
    E já agora de que cor são os bancos do metro? LOL

    ResponderEliminar
  5. Vejo! Andei de autocarro há duas semanas. No 58.

    A questão do metro é ridícula pá! Azuis! E então?

    ResponderEliminar
  6. gunas, dreads, mitras... tanto nome para um só espécie lolol

    Infelizmente nos autocarros não dá para fazer o controlo de torniquetes como no metro ou agora na CP (linha de sintra), pelo que casos destes de usar e não pagar são sempre frequentes..

    ResponderEliminar