terça-feira, 4 de outubro de 2011

Rubrica: Lisboa aos olhos de António Capucho

Hoje na nossa Rubrica aos olhos de Lisboa, contamos com as respostas do Dr. António Capucho, a quem muito agradecemos a total disponibilidade de participar no nosso blogue.

Pensar Lisboa - O que mais gosta na cidade de Lisboa?
António Capucho - A brincar: a saída para Cascais pela Marginal.
A sério: a zona ribeirinha do Tejo desde a Torre de Belém até aos Jerónimos, ao Palácio de Belém e ao Museu da Electricidade.

Pensar Lisboa - O que menos gosta em Lisboa?
António Capucho - Do trânsito, do estacionamento e do descuido da maioria dos espaços públicos.

Pensar Lisboa -O que mudava em Lisboa?
António Capucho - Desincentivava o trânsito, combatia o estacionamento ilegal, cuidava melhor dos espaços públicos e dava prioridade à requalificação urbana para captar jovens residentes para as zonas mais degradadas.

Pensar Lisboa - O que recomendaria a um turista em Lisboa?
António Capucho - Um passeio pela beira do Tejo e um circuito guiado aos principais monumentos e Museus, a começar nos Jerónimos e na Torre de Belém, passando obrigatoriamente pelo Museu dos Coches, pelo Museu de Arte Antiga e Museu do Azulejo, acabando na Sé e no Castelo.

Pensar Lisboa - Com que cor identifica Lisboa?
António Capucho - A brincar: com o cinzento da sujidade. A sério: com o azul do céu transparente dos dias bonitos do Outono e da Primavera.

Pensar Lisboa -Numa palavra, Lisboa é...?
António Capucho - Uma cidade com alguns pontos fracos, mas nem por isso menos deslumbrante. De longe uma das capitais mais bonitas que conheço.

1 comentário:

  1. Enquanto lisboeta, o assunto do estacionamento e do tráfego rodoviário é-me controverso!
    Tanto o estacionamento é selvagem, como o tráfego é caótico em diversas alturas do dia.
    Mas a forma, como as autoridades e as entidades responsáveis tratam o assunto também merecem a minha atenção.

    Acho que a opinião dos lisboetas em relação a essas entidades também não é a melhor, e secalhar têm motivos para isso.. e por isso pergunto-me, o que se pode fazer? Quais as propostas para melhorar esta situação?

    Os meus sinceros agradecimentos pela sua participação!

    ResponderEliminar