sábado, 1 de outubro de 2011

Queremos o Campo Grande de volta!


O Jardim do Campo Grande é um extenso jardim de Lisboa, ocupando uma área de 15 hectares. Antigo Passeio Público no século XVI, era então local de feiras, como a Feira do Campo Grande ou das Nozes que chegava a durar dois meses. A sua plantação, inspirada no estilo de Passeio Romântico, remonta ao séc. XIX, no reinado de D. Maria I, tendo albergado as primeiras corridas de cavalos em 1816. Em 1945, o arquitecto Keil do Amaral elaborou a respectiva remodelação, com ampliação do jardim e introdução de novos equipamentos, sendo o mais significativo, a Piscina do Campo Grande. Em 1979, foi edificado na parte central o Centro Comercial Caleidoscópio.

Passeava esta manhã pela zona do Campo Grande e mais uma vez sentia a amargura de constatar o manifesto estado de abandono do Jardim.

A Câmara Municipal celebrou, o ano passado, um protocolo com a Universidade de Lisboa para a recuperação deste espaço verde (http://www.cm-lisboa.pt/archive/doc/Universidade_de_Lisboa.pdf)

Os primeiros resultados estão prometidos para Junho de 2012, momento em que deverá estar concluída a recuperação da parcela norte do jardim (entre a Av. do Brasil e o topo norte do jardim). Em Dezembro de 2012 será o momento da parcela sul estar de cara lavada.

Nos termos deste Protocolo, a Universidade de Lisboa compromete-se a gerir o edifício Caleidoscópio, os campos de ténis, o ringue de patinagem e o edifício dos antigos balneários.

Já a antiga piscina irá reabrir no Verão de 2012 transformada em ginásio com preços módicos e horários alargados e exploração concessionada à sociedade Ingesport.

Espero que a Câmara Municipal cumpra estas promessas e que a Universidade saiba corresponder às expectativas criadas. Os lisboetas querem o Campo Grande de cara lavada para voltar a ser o que era e o PENSAR LISBOA não deixará de estar atento a este processo.

1 comentário:

  1. Ora nem mais Nuno.

    É essa uma das razões de ser deste blog. Fiscalizar o que se passa nesta bela cidade.

    E o Campo Grande com todas as potencialidades que tem é uma pena estar como está.

    Em qualquer capital europeia, um Campo Grande seria um local de famílias, de convívio e de bom ambiente.

    ResponderEliminar